top of page
  • Ronaldo Gomes dos Santos

Hipocritamente


Você não é o que aparenta ser

Os seus atos não condizem com as suas palavras

Por que eu haveria de guiar os meus passos pelos seus

Se você não sabe aonde quer chegar

Você me roubou a inocência traindo a minha confiança

Ironicamente

Deliberadamente

Inconsequentemente

Você cai na sua teia

Você não tem noção do perigo

Você cai em contradição

Hipocritamente

Você diz que é feliz

Hipocritamente

Você vive a sua vida

Através dos seus atos você vem cavando a sua própria tumba

Sua máscara caiu, sua face apareceu

A realidade se fez da verdade

Fim de jogo, suas armações não funcionam mais

Tudo está como deveria estar

É a lei da ação e reação

Você fala com tanta propriedade

Mas suas palavras já não fazem mais sentido para mim

Hipocrisia

Você faz uso todo dia

Não há mais o que temer

Não há mais o que perder

Pois você mesmo manchou a sua reputação

Algo que tanto queria preservar

Agora está na lama, sorria esta é a sua fama

Como pôde alguém de quem eu tanto apreciava

Se tornar essa pessoa cruel, impiedosa e

Como pode haver pessoas deste tipo?

Tudo um jogo, pura armação, apenas aparência

Cadê a sua virtude? Cadê o seu véu imaculado?

O seu espelho está quebrado

Apenas restaram cinzas onde havia amor

Corre em suas veias o sangue corrompido

O sangue da discórdia que lhe faz ser quem você é

bottom of page