• Ronaldo Gomes dos Santos

A Revolução dos Bichos

Segundo livro do George Orwell lido, segundo impacto distópico sofrido!


Motivado pela leitura do grande clássico da distopia mundial, 1984, resolvi investir nesse universo de uma realidade “distante” que, infelizmente, apesar da história ser uma sátira instrumentalizada na época da Guerra Fria, ainda tem laços muito fortes com o nosso presente.



A Revolução dos bichos aborda de maneira satírica um período marcado por tensão, confronto e destruição, a Guerra Fria, conflito político-ideológico que foi travado entre Estados Unidos (EUA) e União Soviética (URSS), entre 1947 e 1991. O conflito travado entre esses dois países foi responsável por polarizar o mundo em dois grandes blocos, um alinhado ao capitalismo e outro alinhado ao comunismo.


Cansados da exploração a que são submetidos pelos humanos, os animais da Granja do Solar rebelam-se contra seus donos e tomam posse da fazenda, com o objetivo de instituir um sistema cooperativo e igualitário, sob o slogan “Quatro pernas bom, duas pernas ruim”.


Mas não demora muito para que alguns bichos – em particular os mais inteligentes, os porcos – voltem a usufruir de privilégios, reinstituindo aos poucos um regime de opressão, agora inspirado no lema “Todos os bichos são iguais, mas alguns são mais iguais que outros”.


A leitura deste clássico se faz necessária, além de nos permitir aprender com os erros do passado, nos induz a refletir sobre as nossas ações para com os nossos semelhantes e com o mundo de uma maneira geral.


Indico fortemente a sua leitura!