• Ronaldo Gomes dos Santos

Eternos

Marvel, o que eu te fiz para você abalar a minha frágil estrutura de ser humano com esse filme? Com uma premissa que enlaça os conceitos cristão-judaicos, o filme Eternos, sincretiza muitos elementos religiosos, filosóficos e transcendentes da cultura universal e apresenta uma narrativa que conseguiu me deixar preso no assento durante todo o filme e também para assistir às duas cenas pós-créditos, e mexeu por demais com a minha mente!

Assim como nos quadrinhos, a produção cinematográfica, trata da chegada iminente de um Celestial à Terra colocando em risco o futuro da espécie humana com uma ameaça colossal no evento conhecido com o Despertar. Vários personagens têm seus nomes emprestados do panteão dos deuses greco-romanos. Na obra vemos eventos que questionam o valor do livre arbítrio e se a verdade de fato nos libertará. A criação da vida e o “erro” durante o desenho na criação, além da descoberta de uma vida sem propósito baseada numa obediência cega.

Um grande e ousado projeto cinematográfico empreendido pela Marvel Studios, para introduzir uma nova narrativa na sua quarta fase. Como sempre, com doses de humor, mesclando religião, história, aventura, ética e cenas de susto, Eternos nos apresenta um novo e celeste mundo dos heróis, onde o ser humano é tema de questões existenciais dos seres criados pelo grande Celestial. O filme é tão recheado, mas tão recheado que “tem” BTS, Batman e até o Superman (…) E como não pode deixar de ser, duas cenas pós créditos, em uma delas, como já é de conhecimento de muitos, há a aparição de Harry Styles interpretando, Eros, o irmão do tirano e também eterno, Thanos. Em uma entrevista à Deadline, a diretora Chloé Zhao falou o seguinte:

"Harry como Eros foi sempre um pacote único para mim", disse Zhao. "Não é que eu sugeri Eros e vamos procurar atores. Eu segui Harry desde Dunkirk, achei ele muito interessante. Depois de encontrá-lo percebi que ele é este personagem, do mesmo modo que escalamos todo meu elenco. Tem muito Eros nele".

Com um viés pautado no religioso, conforme anteriormente citado, a obra da diretora Chloé Zhao, temos personagens mais humanizados e inclusivos na trama, como é o caso do Phastos (Brian Tyree Henry): Expert em tecnologia, o herói cria armas e dispositivos. Nas histórias em quadrinhos, suas aventuras inspiraram a origem da lenda grega sobre o deus Hefesto. Apesar de criar armas, Phastos sempre procura a solução pacífica, sem o confronto físico. Enquanto busca sentido na vida, o herói se recusa a machucar o próximo, e por isso, diverge dos ideais do grupo. Ele abandona o posto de guardião para criar uma família com um marido e um filho. Houve momentos de aplausos durante a sessão, indício de aceitação por parte do público que expressa suas emoções como resultado de tamanho envolvimento com a obra. Eu não quero morrer antes de acompanhar o desenrolar dos próximos eventos culminantes dessa nova fase do Multiverso da Marvel.

SINOPSE Originários dos primeiros seres a terem habitado a Terra, Os Eternos fazem parte de uma raça modificada geneticamente pelos deuses espaciais conhecidos como Celestiais. Dotados de características como imortalidade e manipulação de energia cósmica, eles são frutos de experiências fracassadas de seus próprios criadores, que também foram responsáveis por gerar os Deviantes, seus principais inimigos. The Eternals ANO: 2021 PAÍS: EUA CLASSIFICAÇÃO: 12 anos DURAÇÃO: 157 min DIREÇÃO: Chloé Zhao ROTEIRO: Patrick Burleigh, Kaz Firpo, Ryan Firpo, Chloé Zhao ELENCO: Richard Madden, Angelina Jolie, Gemma Chan, Brian Tyree Henry, Kumail Nanjiani, Barry Keoghan, Kit Harington, Salma Hayek, Ma Dong-seok, Lauren Ridloff, Lia McHugh, Harish Patel